Ações de Democratização de Acesso

Como forma de democratizar a dança, o evento conta com duas oficinas específicas para frequentadores de centros comunitários, e uma para pessoas com deficiência visual.

OFICINA Técnicas Corporais (com Elisa Schmidt)

Datas e Horários:

28/05 – 13h30

29/05 – 13h30

30/05- 13h30

Carga Horária: 1 hora por aula – 3 horas no total

Local: ACIC – Associação Catarinense de Integração do Cego

Evento exclusivo para Grupo de Dança da ACIC

 

Conteúdo da Oficina:  Nesta modalidade o aluno vivencia técnicas para melhorar sua organização postural e sequências em movimento, sincronizadas à respiração. A prática proporciona consciência corporal global, maior equilíbrio, concentração, força, flexibilidade, capacidade pulmonar e cardíaca. Estes benefícios ressoam em seu dia a dia através do bem estar. Além disso, auxilia no desempenho de todas as modalidades de dança.

 

Sobre a professora: Elisa Schmidt

Graduanda em fisioterapia e estudante do Método G.D.S., em São Paulo. Elisa é formada em Educação Artística, com habilitação em Artes Cênicas e possui Mestrado em Teatro, ambos pela UDESC. Seu Mestrado “Matéria-Prima: A Transfiguração em Olivier De Sagazan” foi publicado como livro, sendo distribuído por livrarias de países da América e Europa. Formou-se no Método de Reeducação do Movimento de Ivaldo Bertazzo. Iniciou os estudos de Yoga em 2001 e formou-se como instrutora pelo Yoga Natarája, de São Paulo. Pratica dança contemporânea desde 2004. Foi contemplada pelo Prêmio Funarte Klauss Vianna de dança de 2012 e 2013, com os projetos “Interfaces Desfigurativas – Intercâmbio entre solos” e “Entre Terra – Circulação do Sul ao Norte”. Dançou e ministrou oficinas de dança por diversas cidades brasileiras, tais como Porto Velho, Manaus, Belém, Boa Vista e Palmas. Participou como interlocutora do projeto manauara “Recolon”, de Leonardo Scantbelruy, contemplado pelo Klauss Vianna em 2014. Dirigiu o espetáculo “Asas”, realizado em parceria com a Cia South Flavor. Foi diretora de cinema, com o documentário “Inani e Banu – Imagens da Mulher Huni Kuin”, contemplado pelo VII Prêmio Armando Carreirão de Cinema de Florianópolis.

Oficina Danças Urbanas (com Guilherme Fant e Julia Milan)

Datas e Horários:

29/05 – 10:20h

29/05 – 15:20h

30/05 – 10:20h

Carga Horária: 1 hora por aula – 3 horas no total

Local: COMOSG – Centro Comunitário do Saco Grande

Entrada Gratuita

 

Conteúdo da Oficina:  Danças Urbanas é um conjunto de estilos de dança originados nos movimentos contraculturais, passos sociais e da cultura hip hop, que ganham evidência nos EUA na década de 70. Estudar danças urbanas é também entender o espaço e a sociedade em que vivemos. Nas aulas serão abordados principalmente os estilos Breaking e Hip Hop Freestyle estimulando o desenvolvimento do aluno de diversas formas, atingindo o campo corporal, emocional e racional. Buscando melhorar a autoestima, criatividade, força, energia, condicionamento, alongamento, sensibilidade, precisão, sincronia, musicalidade, autonomia e equilíbrio.

 

Julia Milan

Estudante de Arquitetura e Urbanismo na Universidade Federal de Santa Catarina, inseriu-se no mundo da dança em 1996 com a prática do Ballet Clássico e Moderno, passando pelo Jazz e Contemporâneo. Desde 2004 fixou seus estudos na prática das Danças Urbanas, e há 6 anos atua como professora da modalidade na Cenarium Escola de Dança, atualmente ministra aulas também na Escola Sarapiquá, no Agenda Centro de Artes Urbanas, e no projeto social IGK Dance do Instituto Guga Kuerten em parceria com a Cenarium. É diretora e coreógrafa da Cia South Flavor que teve seu primeiro Espetáculo “Asas” apresentado no período de 2014 a 2017. Como bailarina já participou de eventos, mostras e competições de dança em diversos estados do país entre eles Festival de Dança de Joinville e Festival Internacional de Hip Hop, assim como participou de workshops com renomados professores nacionais e internacionais da área.

 

Gui Fant

Bboy, professor e coreógrafo, começou a praticar o Breaking em 2003 e desde então se apaixonou pela cultura Hip Hop. Passou o período de 2010 a 2012 em Curitiba, praticando e estudando a modalidade junto ao grupo Can Africa Spin. Há 6 anos atua como professor de Danças Urbanas na Cenarium Escola de Dança, atualmente ministra aulas também na Escola Sarapiquá, no Agenda Centro de Artes Urbanas, e no projeto social IGK Dance do Instituto Guga Kuerten em parceria com a Cenarium. Como diretor e coreógrafo da Cia South Flavor busca trazer o Breaking também para os palcos vinculado às origens do Hip Hop. Participou de eventos, mostras e competições de dança em diversos estados do país, entre eles Battle In the Cypher, Festival de dança de Joinville, e seletiva do Red Bull BC One 2018.

Oficina Dançaterapia (com Sarah Massignan)

Datas / Horário:  

22/05 – 19h

24/05 – 19h

29/05 – 19h

Carga Horária: 1 hora por aula – 3 horas no total

Local: Centro Comunitário do Monte Verde

Entrada Gratuita

 

Conteúdo da Oficina:  Dançaterapia é um caminho de reapropriação da linguagem corporal por meio de estímulos criativos que favorecem a conjunção do movimento ao “sentir” único e vivo de cada ser humano.O Método Maria Fux baseia-se na possibilidade de uma mudança que permita sair e abandonar gradualmente a rigidez, o medo, a instabilidade, independente do estado psíquico, físico e social de cada um.O corpo humano é naturalmente predisposto ao movimento. A pele, os músculos, a estrutura óssea são um convite constante à dança concebida como capacidade profunda de expressão, comunicação, relação.

Inscrições no local.

 

Sobre a professora: Sarah Massignan

Nascida em Florianópolis, formada em Naturologia Aplicada pela UNISUL em 2010, graduanda de licenciatura em Teatro pela UDESC, início 2013. Está cursando Técnico em Música, instrumento percussão, na Escola livre de Música – ELM, da Fundação Franklin Cascaes.

Formada pelo Centro Internacional de Dançaterapia  Maria Fux desde 2012 com supervisão de Pio Campo. Participou de workshop com a criadora do Método, Maria Fux. Pesquisa dança Afro há 11 anos, tendo feito aulas com as professoras Cintia Abada e Bibiana Machado  em Florianópolis, fez aulas de danças afro na FUNCEB Salvador- BA, participou de diversos workshops com mestres da cultura afro como: Mestre Moa do Katendê, Tião Carvalho, Mestre Amaral, Grupo Raízes do Arcoverde, Grupo Bongar, fez também workshop com africanos conhecendo um pouco mais a raíz da dança afro, com nomes como Fanta konatê, Modou Diatta e Mariama Camara.

É criadora e regente do Grupo Cores de Aidê que tem Bloco (formado por 150 mulheres) e Banda (formado por 15 mulheres) com sede na GRES Copa Lord.

Ministra aulas de Dançaterapia, Dança Afro e Dança Impar Power na Cenarium Escola de Dança.